quarta-feira, 30 de junho de 2010

A busca pela casa (de festas) perfeita - Parte 2

Ficamos noivos em outubro de 2009 (o noivado vai ganhar um post especial, FATO) e, logo no início de 2010 começamos a pesquisar e visitar casas de festas para o grande dia!

Sabíamos desde o começo que queríamos um lugar que tivesse espaço para cerimônia no local, tendo em vista que não somos católicos praticantes e não víamos sentido em casar em nenhuma religião.

Conversando com o Beto, vi que queríamos várias coisas em comum... Um casamento despojado, com algum tipo de ligação com a natureza. A idéia inicial do noivo era casar na praia - lugar sempre muito presente na vida do casal - e então começamos a ver as opções de casamentos na praia.

De cara, vi que não era fácil, a não ser que fossemos milionários e tivéssemos dindim para fazer um casório em Búzios, com direito a bancar hospedagem pro povo. rs Aí seria moleeeee! rsrs E, mesmo que fazer uma festa fora do Rio fosse acessível financeiramente (pra nós, não é), tirar nossas famílias do Rio não era opção.

Como o noivo é de Niterói, o primeiro lugar que visitamos foi o Itacoatiara Pampo Clube. A praia de Itaquá é lindaaa e o clube é quase na areia. Chegamos lá com uma amiga que é sócia do clube num domingo de manhã com um sol maravilhoso!

O salão tinha um tamanho bom para nosso número de convidados (170) e dava para fazer a cerimônia na varanda, apesar de ficar um pouco apertado. Lá, aluga-se somente o salão, sem mobiliário, o que pra gente era ótimo, pois poderíamos personalizar nossa decoração.

Mas... tinham vários contra para nós...

O lugar não tem estacionamento, e, como a idéia era casar no final da tarde para aproveitar o visual do pôr do sol, iríamos pegar a praia cheia ainda em pleno meados de novembro. Imaginem o sufoco para conseguir um vaga em pleno verão? Tirando que, quem conhece Niterói sabe da fama da cidade... "Vá a Niterói e ganhe uma multa"! rsrs Não dava para expor nossos convidados a isso, né?

Ainda sobre o verão... O lugar é um salão fechado e só tinha 2 ventiladores bemmmm antigos. Sabem aqueles de repartição pública de filme? Esses mesmos! Com certeza teríamos que alugar mais ventiladores pro casamento.

Enfim, achamos o aluguel muito caro para o que eles ofereciam. Teríamos que contratar várias coisas por fora para a festa ficar com uma infra-estratura boa. Além do mais, Itacoatiara é longe pra caramba! Apesar do noivo ser de Niterói, maioria esmagadora dos convidados é do Rio.


Ainda seguindo a linha casamento na praia, fomos conhecer o Grumari Beach Garden.

Quando eu descobri esse lugar fiquei eufórica! rsrsrs O orçamento era bom demais pra ser verdade e a cerimônia era na areia da praia de Grumari!! O Beto amou a opção, e fomos logo no primeiro sábado que deu.
Mas nós não sabíamos o quanto Grumari é longeeeee!!!! rsrsrs Estávamos no Recreio, na casa da minha cunhada e mesmo assim demoramos um tempão pra chegar no clube.



Assim que chegamos, ficamos encantados com a beleza natural do lugar. Um verde sem fim, um gramadãããããooo e ELE, o mar! Muito bonito mesmo!


Já o clube não estava em boas condições. Lá tem dois "chalés" para aluguel por temporada e eles estavam ocupados, tinha até varal de roupa lavada e tudo, além de uma grande bagunça no entorno deles desses espaços. A equipe do GBG explicou que, em dia de casamento esses lugares ficam reservados para a festa, evitando bagunça, mas a primeira impressão foi ruim, de abandono do espaço, sei lá.


A área coberta do clube é bem pequena, resume-se basicamente a uma varanda, cozinha e banheiros (que, por sinal, estavam em péssimas condições no dia que visitamos). Por isso, é recomendado o aluguel de toldos para serem colocados no gramado.


Mesmo com a condição não muito legal da casa, ainda consideramos de verdade fazer nosso casamento lá, pela beleza natural e pelo preço, que cabia no nosso bolso.


Mas não conseguimos... Depois que fomos lá tive pesadelos com acidentes dos nossos convidados voltando na estradinha que chega até Grumari e MUITOS, MUITOS PESADELOS COM A CHUVA.


Lá, apesar de ter algum espaço coberto e da possibilidade de ser colocar toldos, perde, na nossa opinião, todo o brilho em um dia sem sol. E eu, virginiana como sou não conseguiria viver quase dois anos pensando se vai chover ou não no dia.


Por isso, apesar de lindo e com um preço justo, o Grumari foi "eliminado". rs


Volto amanhã, com a saga das casas de festas da Zona Sul!


Um beijo,
Juju

terça-feira, 29 de junho de 2010

A busca pela casa (de festas) perfeita.

Confesso que tínhamos um briefing difícil...

Queríamos um lugar: Com um preço justo, boa localização, que não fosse muito grande, que não fizesse todos os casamentos iguais, e que tivesse um jardim/ espaço aberto (e um plano B bonito em caso de chuva) para a cerimônia.

O local destinado a cerimônia era o ponto (além do preço, é claro ;) prioritário para mim. O noivo não se importava tanto com isso, mas eu ficava MUITO incomodada em nos imaginar casando num salão fechado, cercado apenas por paredes.. rsrs Queria um gramadinho, uma areia de praia, qualquer coisa nos conectando a natureza!! rs

E esse ponto complicava ainda mais as coisas. Algumas casas de Jacarepaguá têm opção legal de jardim para cerimônia, mas TODAS as que eu orcei faziam festas no formato "pacotão" - um casamento praticamente igual ao outro - e nenhum com a nossa cara... :/

Como agravante, nem nós dois, nem nossas famílias conhecem minimamente bem Jacarepaguá.
Portanto, essas casas foram descartadas - apesar de algumas terem um preço bem justo.

“Eliminando” JPA, logo pensamos no Alto, que tem uma área verde enorme e várias casas de festas.



Quando eu era mais nova, coisa de criança mesmo, sonhava em casar no Alto da Boa Vista... Via aqueles casarões e ficava encantada!

Quando começamos a efetivamente procurar um lugar para a cerimônia do nosso casamento, tive medo de não conseguir casar lá por questões financeiras... mas acabei descobrindo que dentre os males, esse é um dos menores...

Nos espantamos ao ver (às vezes até por foto do site do lugar já ficava claro!) a falta de manutenção de algumas casas do Alto. Mas o maior problema, na minha opinião, é a violência. Não foram poucas as vezes que ouvimos alguém contar alguma história de assalto por lá.

A violência do Rio de Janeiro foi um ponto que pegou bastante durante toda nossa procura. Normalmente, locais para festas são em lugares mais afastados ou com um acesso um pouco mais complicado... Às vezes o lugar é ótimo, mais com caminho perigoso. A própria CST não tem os acessos mais fáceis do mundo, um mapa com certeza será necessário! rs

Mas...Voltando a nossa procura...

Como não temos carro, encontramos uma ótima maneira de conhecer os lugares... Fizemos um rodízio de padrinhos! rs Como já convidamos nossos padrinhos informalmente, pedimos para eles já começarem a botar a mão na massa. E o resultado foram sábados muito divertidos, junto de algumas das pessoas que mais amamos!

E vou, a partir de amanhã compartilhar cada visita com vocês!

Um beijo,
Juju

Fonte imagem: http://www.tijuca-rj.com.br/v02/historias/alto-da-boa-vista-e-suas-divisas-regionais/

segunda-feira, 28 de junho de 2010

E o lugar escolhido foi...


Oi meninas!

Retomando o blog! Depois de um período tumultuado, aqui estou novamente!

Enrolei, enrolei, enrolei e não tinha dito ainda qual a casa de festas escolhida... rsrs

Então... Agora já é público e notório!

Fechamos com a Casa de Santa Teresa!!!!!!!!!!

Nossa! Toda vez que olho para fotos daquele lugar não consigo acreditar que é verdade!

Sempre achei a CST o lugar o mais lindo do Rio para casamentos mas nem cogitava casar lá por dois motivos: O noivo não gosta do bairro e o preço era totalmente fora da minhas possibilidades...

Enfim, olhamos por alguns meses sem nem agendar uma visita a CST... E eu sempre com uma pulga atrás da orelha.. rs Tinha que conhecer aquele lugar.

Na semana de fechar com a outra casa de festas (Espaço 1 era nossa outra opção) eu teimei em ir por "desencargo de consciência." Beto, muito a contragosto, foi também.

E chegando lá... Ah chegando lá... Não tem como não se encantar!

A casa é linda. Não é "só" o visual do Rio aos nossos pés que impressiona. A estrutura da casa é bem legal, o paisagismo e a iluminação decorativa são belíssimos.



A questão da pista de dança ser separada do restante da festa incomodava um pouco, mas fomos convencidos por nossas famílias que pode sim, ser um ponto favorável. :)

A idéia é fazer uma cerimônia íntima, para a família e amigos próximos e o espaço é do tamanho ideal, não vamos ter que "encher de decoração" para ficar legal.

E a implicância do noivo em relação ao bairro? DESAPARECEU, no minuto que pisamos lá. Ainda fomos almoçar e dar uma volta no bairro, e, no clima romântico de quem tinha acabado de escolher o lugar do casamento, ele gostou bastante do passeio.

Mas, antes de assinar contratos penamos com planilhas e mais planilhas!!! Fizemos várias simulações e com a ajuda da nossa linda cerimonialista/ decoradora Lanna, vimos que basta economizarmos em alguns pontos que o valor total da festa compensa a facada que é o aluguel.

Bem, é isso!

Espero que compartilhem da minha felicidade! Qualquer dúvida sobre a Casa, fico feliz em ajudar!


Beijos,
Juju

Crédito das fotos: Marina Lomar

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...